A Seção Sindical dos Docentes da UEPG, Sinduepg, através da sua direção, repudia todo e qualquer ato de censura. Recentemente o governo Ratinho Junior (PSD), agindo de maneira autoritária, ordenou a retirada do livro “O Avesso da Pele” das escolas do Paraná. A obra do escritor Jeferson Tenório estava em circulação, mas por ordem direta do Núcleo Regional de Educação (NRE) teve seus exemplares retirados no início do mês de março. A decisão de retirar a obra das bibliotecas escolares configura-se como um ato de censura arbitrária e injustificável, que viola o direito à liberdade de expressão e à educação.

O Sinduepg reforça seu posicionamento contrário à censura a qualquer material didático e/ou literário. Tais materiais são essenciais para a formação dos estudantes. Interferir no acesso aos livros nos remete aos tempos da ditadura.

O livro “O Avesso da Pele” aborda temas importantes como a violência policial, o racismo estrutural e a realidade das periferias brasileiras. A censura do livro priva os jovens de acesso a uma obra que pode contribuir para a formação de cidadãos críticos e conscientes.

A literatura tem um papel fundamental na formação de indivíduos, pois permite o contato com diferentes visões de mundo e reflexões sobre a realidade social. Censurar livros é negar aos jovens o direito de conhecer diferentes perspectivas e de desenvolver seu senso crítico.

A decisão de censurar “O Avesso da Pele” é um retrocesso inaceitável, que nos remete aos tempos sombrios da ditadura militar. É um ataque à liberdade de expressão e à cultura, e um desserviço à educação pública.

Abaixo a censura!

Confira a nota produzida pela professora Maria Julieta Weber da UEPG.